terça-feira, 15 de dezembro de 2009

O MELHOR DE 2009

1 - Waiting - OI VA VOI

Faixa de Travelling the face of the globe, terceiro disco do combo londrino OI VA VOI (oh, dear God, em ídiche). A banda utiliza uma base eletrônica para misturar diversos gêneros da música folclórica européia. A faixa lembra um pouco a música klezmer, de origem judaica, muito presente no trabalho do grupo. Mas a influência aqui é a música cigana dos Balcãs. Bota a chatice do Beirut no chinelo, com beats mais legais e criativos.

2 - Badhead - BLUR

Saiu na excelente coletânea dupla Midlife - a beginner's guide to Blur, lançada esse ano. O primeiro dos relançamentos do The Best of 2009. Originalmente, a faixa é de Parklife (94), clássico do grupo e um dos grandes discos do britpop. Talvez a música não tenha se destacado tanto em um album tão bom e cheio de faixas sensacionais. Em Midlife, Badhead ganha o lugar que merece.

3 - Crimson & Clover - PRINCE

Em silêncio e sem alarde, Prince vem lançando discos regularmente, como é o caso do triplo LotusFlow3r. Na verdade, Prince é responsável por dois discos. O terceiro, Exiler, é de uma protegida sua, Bria Valente, mas Prince produz e toca quase tudo. A faixa é uma cover arrasadora do gênio de Minneapolis. Crimson & Clover foi lançada em 1968 por Tommy James and The Shondells. A psicodelia do original deu lugar ao peso das guitarras de Prince.

4 - The Outsiders - THE DOVES

Uma banda que nem é tão boa assim, mas em Kingdom of Rust, o Doves pegou todos de surpresa. O disco é surpreendentemente bom e obriga a prestar atenção nos caras e na cena de Manchester daqui para a frente. Ao que tudo indica, o madchester está vivo e mudando.

5 - Who Will Confort You - MELODY GARDOT

O segundo disco da cantora de New Jersey, My one e only thrill, é muito inferior ao primeiro, o ótimo Worrisome Heart, de 2006. Mas essa faixa é sensacional, porque é a que mais se aproxima de seu trabalho de estréia e deixa de lado aqueles arranjos de cordas enfadonhos e desnecessários.

6 - West End Blues - ALLEN TOUSSAINT

Veterano da cena de New Orleans, Toussaint é pianista, compositor, arranjador, cantor e fez 71 anos em 2009, comemorado com esse The Bright Mississippi. Ninguém poderia pensar que West end blues ainda pudesse trazer novidades. A faixa é do início do século XX de um dos pioneiros do jazz, o cornetista King Oliver. Mas foi com a gravação de Louis Armstrong que esse blues se tornou famoso. Muitos especialistas apontam a gravação de Armostrong como sendo o marco zero do jazz, a primeira gravação em que se destacam todos os elementos que marcariam o gênero, inclusive o indispensável estilo pessoal do intérprete. Toussaint teve o bom gosto e a sensibilidade de manter a antológica frase de abertura do tema com o trompete, mas no solo ele deixa fluir o seu toque elegante e imprevisível ao piano. Allen Toussiant já tinha entrado em uma das compilações The Best Of. Foi em 2006, quando lançou o ótimo The River in Reverse, com Elvis Costello.

7 - Warped Sister - BOOKER T

Booker T. Jones foi o líder da Booker T. & The MG's, a banda da Stax, que gravava com todos os artistas do legendário selo de soul music de Memphis. Warped Sister é uma faixa de Potato Hole, que o organista gravou contanto com a presença do Drive-By-Truckers e das guitarras de Neil Young. O inconfundível órgão de Booker T, claro, conduz a faixa.

8 - Do You Know Who I Am - ECHO & THE BUNNYMEN


A quase improvável volta do quarteto de Liverpool, ainda que com apenas dois integrantes do line-up original, o vocalista Ian McCulloch e o guitarrista Will Sergeant. É o que basta para fazer de The Fountain o melhor disco da banda desde Evergreen, de 97. Pete de Freitas, o baterista original, morreu em um acidente de automóvel em 89.

9 - 1517 - THE WHITEST BOY ALIVE

Faixa de Rules, da outra banda do cantor e compositor noroeguês Erlend Oye, um dos responsáveis pelo Kings of Convenience. No The Whitest Boy Alive, Oye faz música de grande qualidade para a pista de dança, usando apenas teclados vintage - nada de tecnologia digital, samplers, processadores e sequenciadores. O resultado é originalíssimo e irresistível. Aliás, o Kings of Convenience também lançou um grande disco esse ano, o sensacional Declaration of Dependence. Aqui tem um concerto-surpresa em Berlim com 1517. A banda, ainda por cima, é simpática. Muito bom.

10 - Off The Wall - MICHAEL JACKSON

Segundo relançamento da coletânea. Homenagem ao Rei do Pop, que morreu em junho desse ano. Faixa que dá nome ao clássico Off The Wall, de 79. Disco music exemplar. Para a eternidade.

11 - Bye Bye Bayou - LCD SOUNDSYSTEM

Single liberado na rede por James Murphy para o próximo disco da banda, o terceiro. O LCD SOUNDSYSTEM caminha tranquilamente para ser a banda dessa década.

12 - Carango - WILSON SIMONAL

Outro relançamento e outra homenagem, dessa vez ao Rei da Pilantragem. Música de onde foi tirado o título do documentário Ninguém Sabe o Duro Que Dei. Coincide com o lançamento do livro "Nem vem que não tem - a vida e o veneno de Wilson Simonal", de Ricardo Alexandre, e com a reedição da caixa "Wilson Simonal na Odeon (1961-1971)", com 12 LPs originais, compactos, lados B e raridades. Fundamental. Simonal já mereceu um grande ensaio no antigo blog.

13 - Raikoum - KHALED

A volta triunfal do Rei do Rai argelino, que vive em Paris. A faixa é de Liberté, em que Khaled regrava algumas de suas primeiras músicas, ao vivo no estúdio. Raikoum é daquela safra, e ficou ainda melhor que a gravação original. Grande voz. Grande músico - e a levada infernal do rai. O vídeo da faixa dá uma boa idéia do carisma e do talento de Khaled.

14 - Open Up Your Door - RICHARD HAWLEY

Faixa de Truelove's Gutter, sexto disco do inglês, que reafirma a sua trajetória solitária entre os melhores cantores-compositores da atualidade. A vitória da melodia e da composição na voz de barítono de Hawley, que continua a perseguir os passos de sua maior influência, Scott Walker.

15 - Sun King - THE BEATLES

Outro relançamento, dos obrigatórios Beatles Remasters. Faixa de Abbey Road, disco que completou 40 anos em 2009 sem perder nada de sua força e encanto. Pelo contrário, os Beatles - e Abbey Road especialmente - continuam a assombrar o mundo.

16 - Just Ain't Gonna Work Out - MAYER HAWTHORNE

Faixa do disco de estréia desse cantor norte-americano que traz de volta um pouco da soul music elegante e menos áspera de meados dos 60, apesar de ser branco. A faixa é de A Strange Arrangement. Pelo vídeo, dá para conhecer um pouco mais do cara.

17 - Girlfriend - SMOKEY ROBINSON

A voz, o estilo e a qualidade de sempre de um dos nomes mais importantes da história da música pop, desde que era um faz-tudo na Motown. Faixa de Time Flies When You're Having Fun. Um achado, a começar pelo nome do disco.

18 - ABC - KNAAN

O melhor disco de rap do ano é Troubador, desse rapper que nasceu na Somália e mora em Nova Iorque. Disco que tem a participação de vários convidados, entre eles Chubb Rock, que participa da faixa. Mas tem Adam Levine, do Maroon 5, Kirk Hammett, do Metallica, e o grande Mos Def, entre outros. Discaço.

Depois vem o Disc 2 de The Best of 2009.













11 comentários:

  1. Bela lista. Na minha teria algumas diferentes, a do Doves por mim iria a faixa de abertura, Jeststream. Mas tá bem eclético, como sempre. Massa.

    Rola um link pra download?

    ResponderExcluir
  2. Primeiro comentário no novo blog. Obrigado, Gregory. Deu trabalho esse ano fazer dois discos, mas valeu a pena. Tem muita coisa boa. Na verdade, fiquei na dúvida entre essas duas faixas do Doves e acabou entrando a outra, mas ambas são sensacionais. Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Gregory, quanto ao link para download, ainda não sei fazer essas coisas na internet.

    ResponderExcluir
  4. clap clap clap
    otima seleção mestre !!!

    1o lugar mto merecido para o easy stars all stars.
    Ps - eles tocaram em sao paulo em outubro.

    abs
    Thiago Toniatti (DJ CRASH)

    ResponderExcluir
  5. Mestre grande,

    Como sempre, a trilha perfeita para as minhas viagens! Um final de ano maravilhoso para você, Letícia e as meninas.

    André Tezza

    ResponderExcluir
  6. Valeu, DJ CRASH. Apareça. Abraço.

    ResponderExcluir
  7. André, espero que a viagem também seja perfeita. Tudo de bom para vocês. Ótimo viagem e um ano ainda melhor para vocês. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  8. Fantástico, Sérgio.

    Há mais ou menos uma semana escuto todos os dias a sequencia sensacional que vai da Melody Gardot ao Simonal.

    E quando a sequência acaba, eu volto lá na faixa 5 e ouço novamente.

    ResponderExcluir
  9. Grande Menezes,
    a demora no comentário não é pela falta de atenção, sim pela dificuldade de digestão e interpretação da seleção. Já escutei viajando, trabalhando e sem pretenção nenhuma. E pra escrever aqui resolvi fazer um destaque destes destaques. La vai:

    - MJ realmente não poderia ficar de fora. Mesmo com algum preconceito meu, o cara fez muita história.
    - Outra surpresa para mim foi a versão "Sunday Bloddy Sunday". Simplesmente sensacional e não sou fão do "eco-star" Bono.
    - **Detaque de expansão da mente foi "Addids Black Window". Que sonzeira de responsa!
    - Simonal representou o Brasil. Não entrava mais nada das terras brasileiras pra lista?
    - Khaled também deixa a lista mais eclética, curti muito!
    - Outra que me fez aumentar o som do rádio foi "ABC - Knaan". O Cara vir da Somália pra fazer um som de respeito como o que ele faz é para poucos.

    Enfim, muita coisa boa e que venha a lista 2010!

    Abraços!
    Bruno Lunardon

    ResponderExcluir
  10. Wieler,você baixou tudo ? A sua sequência é ótima, não tem dúvida, restrita ao disco 1. E o disco 2, conseguiu baixar ? Gostou ? Acho que também é bom, modéstia à parte. Tudo é música, Wieler, e do que a gente se alimenta para o melhor da vida. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  11. Bruno, muito interessante essa sua "virada" em direção à world music - porque o que você destacou está nessa praia. Que bom, porque é música que não tem fim e que sempre trará novidades como Ba Cissoko, Mulatu Astatke, khaled e Knaan. MJ e Simonal são clássicos, um reconhecido e outro ainda não. Tem muita coisa para ouvir. Algumas eu tentei colocar nos discos, como um começo para novas expansões. A música brasileira, na minha opinião, está em baixa. Não vejo, de fato, a centelha da invenção, a não ser em pouquíssimos casos. I'm sorry. Abraço e obrigado.

    ResponderExcluir